Imagem capa - Quanto custa ser fotógrafo de casamento? por Elisson Andrade
ReflexõesDicas

Quanto custa ser fotógrafo de casamento?

Hoje o texto vai doer no coração de algumas pessoas   

Você, que não é fotógrafo, leia o texto, vai ser legal pra você entender um pouco do nosso mundo.

Você, que é fotógrafo, leia o texto, pode ser um tapa na cara ou um abraço carinhoso, depende de você.



“Desemprego? Amor? Status? Modismo? Acaso?”



Qual foi o motivo de você, fotógrafo que lê (imaginando a treta surgindo kkk), decidir que ganharia a vida fotografando?


Não precisa me responder... Mas, por favor, PENSE.


A fatalidade do assunto, pelo qual vou discorrer, é que independente do seu motivo para se tornar um fotógrafo, essa linda profissão se popularizou e, como tudo que cai nas graças da grande massa, banalizou-se.


É realmente muito fácil pegar um “acertinho” no trabalho, comprar uma câmera, criar um perfil no facebook com o título “fotógrafo”. Mas e todo o restante? Os cursos? As palestras? Os treinamentos? A administração da empresa? A manutenção do equipamento? A compra de novos equipamentos? A vida social?


O que eu quero com esse texto é que você, que está começando a trabalhar nesse meio, tenha ideia de que nosso mercado não é feito de flores (apenas). Mas há flores, todos nós sabemos disso: temos um horário de trabalho muito flexível, trabalhamos com a alegria e sonhos das pessoas e ainda ganhamos por isso! Isso é ótimo, não é?


Pois bem, vou contar as 10 coisas que ninguém conta pra você quando vai começar a trabalhar como fotógrafo, e que eu vi acontecer na minha vida:


  1. Você não ganhará grana de começo, aliás, vai passar muito perrengue;
  2. Não é necessário dormir tanto quanto você imaginava;
  3. Suas segundas-feiras serão facilmente confundidas com domingos (apenas na sua cabeça já que, provavelmente, você vai virar o sábado trabalhando por 10 – 18 horas seguidas);
  4. Sua vida social se tornará uma loucura (nem sempre boa). Antigos colegas não vão entender e vão sumir, novos amigos surgirão e você vai experimentar sair numa segunda-feira pra se divertir;
  5. Muita gente vai falar que você não trabalha (não ligue, eles não entendem que não é apenas um clique);
  6. Você vai descobrir que tem que estudar mais do que nunca estudou na vida toda, e isso será em diversas áreas, desde percepção visual até administração;
  7. Algumas pessoas vão te achar estranho (e muito) quando você olhar pra janela e falar “pqp que luz linda”;
  8. Você vai começar a avaliar o preço das coisas (celulares, roupas, eletrônicos, etc) pelo valor da lente que poderia comprar ou do workshop que poderia fazer;
  9. Você se tornará rico DE FELICIDADE e AMOR (as vezes de grana kkk, mas sabe a verdade? Raros, muito raros mesmo, são os fotógrafos que ficam ricos);
  10. Hora ou outra você vai ler um texto, tipo esse, pensar “Será mesmo que eu fiz a escolha certa?”.


Acredite, eu tive que parar a lista para ela não ficar longa demais! kkk


Dito isto, meu questionamento, dessa vez para aqueles que estão começando e já com o discurso que “é por amor” (não vejo isso como algo errado, mas algo que tem que ser pensado):



Quanto custa para você ter uma vida 'sem regras'?

Você está disposto a buscar se compreender em seu íntimo (e isso as vezes dói) para poder fotografar a essência das pessoas?


Em certo nível, “não sabemos” o que vai acontecer na semana que vem, se vamos conseguir fechar aquele contrato tão desejado, se todo mundo vai pagar certinho, se vamos ganhar um prêmio por alguma fotografia... É real, acontece.


Para você, vale a pena?!


Para mim, SIM.


E no fim, nem falamos de preço. hehe


Têm alguma sugestão ou gostariam de conversar e propor algum tópico para o Blog?!

Deixem, nos comentários, seus recados!  

Um grande abraço! Até logo!